top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

25ª edição do Festival do Rio tem 15 filmes LGBTQIA+ imperdíveis

Um dos maiores festivais de cinema da América Latina, o Festival do Rio começa nesta quinta-feira (05) e promete movimentar os cinemas do Rio de Janeiro


O Festival do Rio, um dos maiores festivais de cinema da América Latina, tem sua noite de abertura nesta quinta-feira, com sessão de gala no Cine Odeon, na Cinelândia, Centro do Rio de Janeiro. Pela primeira vez, o filme de estreia será uma animação musical, 'Atiraram no Pianista', que conta revisita a história do pianista Francisco Tenório Jr., músico da banda de Vinicius de Moraes e Toquinho, que desapareceu durante uma temporada de shows da dupla, em março de 1976, em Buenos Aires, às vésperas do golpe militar na Argentina.


Com a decisão, há alguns anos, de suspender a Mostra LGBT, os filmes voltados à comunidade estão em todas as mostras. Vale conferir 15 filmes imperdíveis para se entender o cenário do cinema LGBT pelo mundo.


Cassandro (México/Estados Unidos)

Cinebiografia sobre o lutador gay de luta livre (ou lutador exótico) Saúl Armendáriz, considerado um ícone mexicano, Cassandro é o primeiro filme não-documental de Roger Ross Williams e traz Gael García Bernal no papel principal. O ator foi muito elogiado por sua performance, que de acordo com os críticos já figura entre as melhores de sua carreira. Para quem não estiver no Rio, vale lembrar que esse filme já encontra-se no catálogo do Prime Vídeo.


20.000 Espécies de Abelhas (Espanha)

Estreia da diretora Estibaliz Urresola Solaguren, o filme espanhol 20.000 Espécies de Abelhas tem como tema principal a discussão sobre crianças trans com sensibilidade e emoção, ressaltando questões pertinentes sobre identidade de gênero. Sofia Otero, a atriz que vive a protagonista Lucía, recebeu o Urso de Prata de Melhor Performance na Berlinale deste ano.


All of Us Strangers (Reino Unido)

Inspirado num romance de Taichi Yamada, All of Us Strangers, de Andrew Haigh, já ganhou o público antes mesmo de sua estreia, por trazer Andrew Scott (o padre de Fleabag) e Paul Mescal (o pai de Aftersun) como o casal principal em cenas que prometem chocar a geração Z. Na trama, Adam (Scott) é um escritor que tem a vida abalada após encontrar seu misterioso vizinho (Mescal). À medida que se aproximam, Adam é levado de volta à sua casa de infância, onde descobre que os pais falecidos estão vivos e com a mesma aparência de 30 anos atrás. Claire Foy e Jamie Bell também integram o elenco.


Assexybilidade (Brasil)

No documentário Assexybilidade, Daniel Gonçalves (de Meu nome é Daniel) explora um assunto ainda pouco debatido no audiovisual, procurando desmistificar tabus e pré-conceitos: as histórias e vivências sobre sexualidade de pessoas com deficiência. O documentário estreia como parte da programação do Panorama Brasil e concorre ao Prêmio Félix.


Kokomo City: A Noite Trans de Nova York (Estados Unidos)

Neste documentário, D. Smith reuniu as histórias de quatro mulheres trans e negras (Koko Da Doll, Daniella Carter, Liyah Mitchell e Dominique Silver) que trabalham como profissionais do sexo nas noites de Nova York e Atlanta, na Georgia, nos Estados Unidos. O filme foi elogiado pela maneira como explora a vida de suas protagonistas, sem perder o otimismo mesmo em frente aos dados alarmantes sobre a realidade da violência contra pessoas transgênero.


Kubi (Japão)

Kubi é adaptado do livro homônimo de 2019 de Kitano Takeshi. O filme histórico e de ação é inspirado no incidente da vida real em Honno-ji, que marcou a história japonesa em 1582. A história gira em torno do assassinato do famoso senhor da guerra Oda Nobunaga em um templo em Kyoto. Antes desse trágico acontecimento, Shinzaemon, personagem principal do filme, captura Araki Murashige, um general acusado de deslealdade à Nobunaga. O enredo do filme gira em torno do destino de Murashige, de quem Nobunaga deseja se vingar quebrando seu pescoço. O filme samurai queer de Takeshi Kitano, um dos nomes mais memoráveis do cinema japonês, estreou este ano no Festival de Cannes, mais de 30 anos após o início de sua concepção. O longa foi comparado aos filmes sobre a organização criminosa Yakuza e até mesmo à série da HBO Succession.


Levante (Brasil)

Levante acompanha Sofia (Ayomi Domenica), uma jovem atleta que, às vésperas de um campeonato de vôlei decisivo para sua carreira como esportista, descobre estar grávida. Na tensão do momento, ela só tem uma certeza: não pode virar mãe, não agora. O longa aborda o direito ao próprio corpo, e de escolha. Premiado em Cannes pela Federação Internacional de Críticos de Cinema (Fipresci).


May December (Estados Unidos)

May December traz a história de Gracie Atherton-Yoo (interpretada magistralmente por Julianne Moore), duas décadas após ter se envolvido com o marido 23 anos mais jovem que ela. O relacionamento, que à época ganhou os principais jornais de fofocas, será relembrado em um filme biográfico estrelado pela atriz Elizabeth Berry (Natalie Portman), que viaja até a terra natal do casal para investigar sua vida privada. O longa estreou em Cannes e foi descrito como uma versão mais sombria de Carol, último filme de Todd Haynes, lançado em 2015.


Meu Nome é Gal (Brasil)

A trajetória de uma das mais importantes vozes da música brasileira ganha as telas dos cinemas em Meu Nome é Gal. Ofilme mostra a infância, como Maria da Graça Costa Penna Burgos, passando pelo início da Tropicália até a truculência do período ditatorial. A cinebiografia estrelada por Sophie Charlotte é uma homenagem das diretoras Dandara Ferreira e Lô Politi a Gal Costa, quase um ano após sua partida. Camila Márdila, Fábio Assunção e George Sauma também fazem parte do elenco.


Moneyboys (China)

Na trama de Moneyboys, Liang Fei (Kai Ko) é um jovem que trabalha ilegalmente como lutador para manter sua família. Fei mora com seu namorado Xiaolai, ganhando dinheiro com a prostituição para sustentar sua família no campo. Um dia, quando um cliente estuprou Fei violentamente, Xiaolai espancou o estuprador. No entanto, os homens do estuprador vêm em busca de vingança contra Xiaolai e Fei foge, deixando Xiaolai para trás. Cinco anos depois, Fei está em outra cidade, trabalhando como traficante popular. A relação entre Fei e seu amigo de infância Long, que se mudou para a cidade sem planos, lembra a relação de Fei e Xiaolai. Embora perceba que seu dinheiro é bem aceito pelos parentes, sua orientação sexual e estilo de vida não têm a mesma receptividade. A direção de C.B. Yi foi elogiada e comparada aos trabalhos de Hou Hsiao-hsiene Michael Haneke.


Mutt (Chile)

Primeiro filme do diretor Vuk Lungulov-Klotz, Mutt estreou este ano no Festival de Sundance e fez história ao ganhar o Prêmio Especial do Júri para Lío Mehiel, primeiro ator trans a vencer a categoria. Na história, Feña (Mehiel) reencontra seu pai, seu ex-namorado e sua irmã após ter perdido contato com eles quando iniciou seu processo de transição.


Orlando, Minha Biografia Política (França)

Em 1928, Virginia Woolf escreveu Orlando, o primeiro romance em que o personagem principal muda de identidade de gênero no meio da história. Um século depois, o escritor e ativista Paul B. Preciado decide enviar uma carta filmada a ela, explorando como a narrativa saiu da sua ficção e agora vive uma realidade que nem mesmo Wolf poderia imaginar. Orlando, Minha Biografia Política conta com um elenco de 25 pessoas diferentes, trans e não binárias, e venceu o Prêmio Teddy de Melhor Documentário na Berlinale deste ano.


Pedágio (Brasil)

Em Pedágio, Suellen (Maeve Jinkings) é uma cobradora de pedágio que percebe que pode usar seu trabalho para fazer uma renda extra ilegalmente. Mas tudo por uma causa que, para ela, é 'nobre': financiar a ida de seu filho à caríssima cura gay ministrada por um famoso pastor estrangeiro. Pedágio retrata a opressão e violência sofrida pela população LGBTQIA+, diante das incoerências e atrocidades promovidas por alguns setores da sociedade.


Sem Coração (Brasil)

Verão de 1996, litoral de Alagoas. Tamara (Maya de Vicq) está aproveitando suas últimas semanas na vila pesqueira onde mora antes de partir para Brasília. Ao ouvir falar de uma adolescente apelidada de 'Sem Coração' por causa de uma cicatriz que tem no peito, ela começa a sentir uma atração crescente pela menina misteriosa. Maeve Jinkings, Kaique Brito, Erom Cordeiro e Alaylson Emanuel integram o elenco do longa dirigido por Nara Normande e Tião.


Toda Noite Estarei Lá (Brasil)

Suellen Vasconcelos e Tati Franklin debatem transfobia e religião no documentário Toda Noite Estarei Lá, que acompanha a rotina e luta da cabeleireira trans Mel Rosário, impedida de frequentar a igreja evangélica Assembleia de Deus. Noite após noite, ela protesta na porta da igreja, buscando exercer seu direito à liberdade religiosa O filme é um dos concorrentes ao Prêmio Félix.


Veja aqui onde assistir não apenas esses filmes, mas todos que estarão em exibição nos cinemas e nas areias de Copacabana. Aproveite muito! Festival do Rio é apenas uma vez ao ano.

Comments


bottom of page