• Pimenta Rosa

Ação afirmativa viabiliza jornada gratuita de autoconhecimento para pessoas trans e não-binárias

Iniciativa da consultoria Div.A Diversidade Agora, o projeto TransFlorescer, parceria com o Projeto Transpor e Florescêntia, está com inscrições abertas até a próxima sexta-feira (18)



As pessoas transgêneros ou não-binárias no Brasil representam um universo de 4 milhões de indivíduos, ou seja, 1,9% da população brasileira, segundo dados de pesquisa da Unesp, de 2021. Se para esse público ainda se faz necessário criar políticas públicas de acesso à saúde básica e de segurança, o que dirá de iniciativas que promovam apoio emocional e autoconhecimento.


Recém-lançado, o Projeto Trasnflorescer, uma iniciativa da consultoria Div.A Diversidade Agora, em parceria com o Projeto Transpor e Florescentia, é uma ação afirmativa para esse público. Trata-se de uma jornada de acolhimento, autoconhecimento e busca de sentido, que ajuda as pessoas a encontrarem o seu propósito e a desabrocharem os seus dons e talentos.


'Estamos em um país em que, para a população em geral, o processo de autoconhecimento já é um privilégio. E é muito difícil as pessoas trans e não-binárias terem esse tipo de oportunidade. Queremos expandir esse acesso para mais pessoas', explica Thomas Nader, vice-diretor do Projeto Transpor.


Serão 10 encontros online, de 1h30, que abordarão os temas: Infância, adolescência e vida adulta; Bloqueios; Ancestralidade negativa; Impactos e consequências na vida prática; Transição; Compromisso com a minha coerência interna; Ancestralidade positiva; Resgate do prazer; Elementos essenciais do propósito; Dons e talentos; e Mapa da autorresponsabilidade.


'Essa ação é muito importante, porque outras dimensões de diversidade já têm foco quando falamos sobre mulheres, gênero ou raça. Nossa consultoria tem o propósito de levar mais consciência sobre o valor da diversidade nas organizações e há muito tempo vínhamos pensando em como poderíamos contribuir mais dentro da comunidade de pessoas trans e não-binárias', afirma Renata Torres, especialista em diversidade e cofundadora da Div.A.


O programa é gratuito, inicia dia 30 de março, às 19h, e os pré-requisitos são: ser uma pessoa trans, não-binária ou travesti, ter acesso à internet banda larga para encontros por zoom. As inscrições estão abertas até dia 18 de março, serão selecionadas 15 pessoas, que passarão por uma entrevista individual e devem ser feitas pelo link https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfgxdL21lIb2fTbm9meSKLRK_AJMmqQpHBWYSBQV31Cxq04nQ/viewform .


'Nosso objetivo é oferecer um espaço seguro para que essas pessoas se empoderem, por meio do autoconhecimento, da conexão com a sua força pessoal e da clareza dos seus potenciais', enfatiza Kaká Rodrigues, também especialista em diversidade e cofundadora da Div.A.

35 visualizações