• Pimenta Rosa

Ambev lança campanha 'Me chame pelo meu nome e pronome também', de atenção a pessoas trans

A mudança é feita de forma gratuita com todo suporte necessário. Para cada colaborador que fizer a retificação, a Ambev fará uma doação à Casa Neon Cunha para que mais pessoas trans possam mudar seus nomes



Sempre colocando em prática iniciativas para garantir a diversidade, equidade, inclusão e direito de todos, a Ambev anuncia uma iniciativa inédita na companhia. O projeto “Me chame pelo meu nome (e pronome também)”, vai apoiar o time de pessoas trans e travestis no processo de retificação de seus nomes de forma gratuita e com todo o suporte necessário.

Entendendo todas as questões burocráticas que englobam a alteração de nome, a Ambev chamou um advogado especializado no tema para fazer todo o processo para colaboradores que solicitarem a troca. Issabela Reis (foto), Analista de Gente e Gestão da Ambev, chegou a fazer a alteração dentro da proposta do governo, mas seu nome civil ainda consta em seu documento. Agora, falta pouco para essa realidade mudar.


'Essa é uma questão muito humanitária do corpo trans, de enxergar a possibilidade da nossa existência. Me senti humana', comenta.

Além disso, para que pessoas em situação de vulnerabilidade também possam realizar este sonho, a Ambev fará uma doação proporcional ao valor investido em seus colaboradores à Casa Neon Cunha, ONG de acolhimento às pessoas da comunidade LGBTQIA+. O valor arrecadado será enviado para a ONG, e lá será feita a divisão para que eles consigam retificar o maior número possível de nomes. Atualmente, existem mais de cem pessoas trans na Ambev, em diferentes níveis hierárquicos.

'Na Ambev, respeito e empatia são valores inegociáveis para que a gente possa transformar vidas para além do nosso ecossistema. Afinal, ser quem você é te dá liberdade para criar, inovar, discutir e engajar seus planos e movimentos na companhia', afirma Michele Salles, Head de Diversidade, Inclusão e Saúde Mental da Ambev.

A companhia também lançou um guia de apoio para eventuais desafios práticos, além de conteúdos exclusivamente pensados para apoiar a jornada da população trans e travesti dentro do seu ecossistema.

'Há 5 anos eu me descobri um homem trans. Desde então tem sido uma batalha para ter meu nome e o meu gênero reconhecido para o Estado e para minha carreira profissional - por travas jurídicas e financeiras. Quando tive a oportunidade de ter meus documentos retificados pela Ambev senti alívio, esperança e acolhimento por parte de todos. Me senti visibilizado e surpreso por haver uma empresa que, de fato, promove uma política de pertencimento as minorias', comenta Felipe Ferreira de Barros, Analista de Insumos da Ambev.

17 visualizações