• Pimenta Rosa

Campanha do Burger King sobre diversidade alcança os 'trend topics' das redes

O vídeo 'Nossa, como eu vou explicar a sigla LGBTQIA+ para as crianças?' recebeu parabéns de uma legião de internautas, mas também foi alvo de críticas e discriminação



Para celebrar o Mês do Orgulho LGBT, a rede de fast food Burger King lançou a campanha 'Como Explicar', dando voz às crianças sobre viver num mundo diverso. O vídeo 'Como eu vou explicar a sigla LGBTQIA+ para as crianças?' mostra, de forma simples, a rotina de famílias que vivem essa realidade ou possuem amigos dentro do movimento. O projeto foi desenvolvido em parceria com especialistas em Psicologia e diversidade e convida a uma reflexão.


Imediatamente a rede recebeu apoio pela forma de encarar o mundo real, que está nas ruas no dia a dia. Da mesma forma, haters criaram a hashtag #BurgerKingLixo e conclamaram a um boicote à empresa, que reafirmou seu compromisso com o respeito às liberdades individuais e o reconhecimento da nova realidade do mundo, que muitos ainda insistem em acompanhar.


A rede Burger King Brasil se pronunciou sobre as críticas lembrando que 'no BK, acreditamos no respeito como princípio básico de todas as relações humanas e não toleramos o preconceito. Aqui, todas as pessoas são bem vindas'. O comunicado segue dizendo 'O desenvolvimento da campanha "Como Explicar", voltada e pensada especificamente para o público adulto, contou com a curadoria de especialistas em psicologia para garantir o uso de uma linguagem adequada, bem como uma consultoria de diversidade e das ONGS Mães pela Diversidade e APOLGBT. O Burger King reforça seu compromisso de contribuir na construção de uma sociedade cada vez mais plural e com o respeito como princípio básico'.


Para a diretora da Marca Burger King Brasil, Juliana Cury, o preconceito é uma construção social e as crianças conseguem enxergar melhor e de forma mais sensível a realidade, sem filtros.


'O lançamento dessa campanha tem como objetivo endereçar um ponto de reflexão a população em geral. O preconceito é uma construção social e, com toda a responsabilidade que nos cabe enquanto companhia, conseguimos mostrar que os pequenos carregam o discernimento a partir de um olhar muito sensível e humano', concluiu.



105 visualizações