• Pimenta Rosa

Curta-metragem sobre travesti de Nova Iguaçu participa do Festival de Gramado

'Deus Não Deixa', filme de Marçal Vianna, aluno de audiovisual do Encontrarte, é selecionado para competição no maior festival de cinema do país



O EncontrArte mudou a vida de Marçal. Quem afirma é o próprio estudante do curso de audiovisual da instituição e diretor do filme 'Deus Não Deixa', recém selecionado pelo Festival de Gramado na categoria documentário. O filme disputará em agosto o kikito de melhor curta-metragem brasileiro com outros 13 filmes. A obra que mostra a vida delicada de Luís Miguel, conhecido travesti de Nova Iguaçu, foi filmado em Santa Rita, bairro de Nova Iguaçu, e será exibido no primeiro dia do festival para os principais profissionais do cinema brasileiro.

Graduado em Comunicação, Marçal Vianna buscou cursos de cinema no Rio de Janeiro sem conseguir concluir por questões financeiras. A descoberta do EncontrArte foi um divisor de águas para o diretor.

'Quando encontrei e comecei a fazer o curso de audiovisual do EncontrArte deixei de viver Nova Iguaçu como cidade dormitório e me reconectei com minha região.'

O curta-metragem 'Deus Não Deixa' foi filmado em 2021 e é o terceiro filme do diretor. A sinopse do documentário conta que Luis Miguel é um jovem que deixou de se apresentar como a travesti Mika Sapekinha, passou a frequentar uma igreja evangélica e enfrentou uma turbulenta jornada de autoconhecimento. Por onde passou o filme causou excelente impressão, conta o realizador. O primeiro filme foi 'Neguinho', vencedor de diversos prêmios pelo Brasil. A execução dos dois filmes foi viável através de seleção em editais Lab Curtas da Funarj.

Os editais mostram a importância de medidas públicas para fomentar a cultura. Possibilita a formação de artistas, a execução de trabalhos de qualidade e enriquece um setor que normalmente apresenta dificuldades para manutenção. Marçal afirma que só conseguiu realizar o filme, ser selecionado no principal festival do país e viver de cinema porque existiu o edital da Funarj. O diretor conta que “Neguinho” foi baseado em uma história real de um menino de Duque de Caxias e abriu portas na carreira.


Outro filme marcante da carreira do cineasta e aluno do EncontrArte é 'O Último Cinema de Rua' que fala sobre o fechamento do Cine Verde, em Nova Iguaçu, o último de rua da cidade. Outro filme, este inédito no circuito, é 'Joyce', feito com o EncontrArte.

'As pessoas acreditam que fazer cinema é uma realidade inviável. É realmente difícil se profissionalizar, os materiais são caros e se concentra na maioria das vezes na elite. Quando existe um curso em Nova Iguaçu com equipamentos de qualidade é possível ver e produzir outras realidades como as da Baixada Fluminense.'

Todos os meus trabalhos de Marçal foram filmados em Nova Iguaçu com personagens da cidade. O diretor afirma querer mostrar outras perspectivas na tela.

'Existir um curso gratuito em Nova Iguaçu com profissionais de cinema perto da minha casa dá oportunidade de aprimorar o meu trabalho. Já fiz curso na zona sul do Rio e o curso em Nova Iguaçu não deve em nada aos mais caros.'

O diretor afirma estar muito orgulhoso do trabalho e da indicação ao festival. Com confiança e resiliência, sua história provou o contrário. Hoje Marçal Vianna possui a experiência de ter sido roteirista na TV Brasil, na TV Escola, no Vai Que Cola do Multishow e representa o cinema de Nova Iguaçu e da Baixada Fluminense no maior festival de cinema do Brasil.

24 visualizações