• Pimenta Rosa

Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ foi celebrado na Câmara Municipal do Rio

Além de debater o tema, foram entregues Moções de Congratulações e Louvor a diversas personalidades, mostrando o respeito da capital fluminense ao movimento



Em comemoração ao Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, o Plenário Teotônio Villela da Câmara Municipal do Rio de Janeiro se transformou na última segunda-feira (28/06) num arco-íris para celebrar a data, com debate 'Construindo uma cidade diversa: uma agenda de políticas públicas LGBTQIA+ para o Rio de Janeiro', e entrega de Moções de Congratulações e Louvor a diversas personalidades.


Os principais pontos debatidos foram a invisibilidade e violência contra a população trans; capilaridade das ações governamentais; estratégias de humanização e acolhimento; construção de políticas públicas afirmativas; transexualidade na infância e a fiscalização do cumprimento de leis, e tratados internacionais.


Participaram do diálogo, promovido pela vereadora Tainá de Paula (PT), o consultor LGBTI na The International Institute on Race, Equality and Human Rights, Isaac Porto; o coordenador executivo de Diversidade Sexual do Rio de Janeiro, Carlos Tufvesson; o líder do governo Eduardo Paes, vereador Átila A. Nunes (DEM), a vereadora Monica Benicio (PSOL), e a vereadora por Niterói, Benny Briolly.


'É raro ter uma mulher negra LGBTQI+ nesta Casa. A última foi brutalmente assassinada. O ódio à diversidade, a guerra cultural que travamos se fez presente quando a palavra ‘gênero’ foi retirada do Plano Municipal de Educação, em 2017. Este é um mês de orgulho, mas também de resistência, para sairmos dos quatro anos de obscurantismo que tomou conta desta cidade', declarou Tainá de Paula.


Já Carlos Tufvesson destacou que a inclusão social e a visibilidade dos corpos faz bem à sociedade como um todo, e ao próprio Estado Democrático de Direito, que deve ser defendido por meio das denúncias contra abusos e ilegalidades.


'Nosso país tem dados que nos envergonham como cidadãos pela banalidade e pela certeza da impunidade. Essa é uma pauta humana. O cidadão LGBTQIA+ tem que se apoderar do estado, dos órgãos de defesa e proteção para fazer valer os seus direitos, para fazer dessa cidade um local para todos'.


O vereador Átila A. Nunes completou, ressaltando que o Rio de Janeiro, uma cidade cosmopolita, sede do maior carnaval do planeta, não combina com preconceito e intolerância. O parlamentar, que foi secretário de Estado dos Direitos Humanos do Rio de Janeiro entre 2017 e 2018, relatou a dificuldade que é avançar em políticas públicas afirmativas.


'Levamos dez anos para aprovar o projeto que criou a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância - DECRADI no estado do Rio de Janeiro. Por isso, a importância de um dia como hoje, que demonstra que políticas afirmativas são essenciais para uma cidade mais inclusiva. É inacreditável que em pleno 2021 precisamos nos reunir para discutirmos preconceito e intolerância de qualquer tipo', lamentou.


Sobre a institucionalidade da discussão, a vereadora por Niterói, Benny Briolly, recomendou que o debate sobre leis e ações devam incluir a população interessada para que tenha efeitos práticos.


'As leis chegam nas esquinas de prostituição onde as bixas brigam por programas de R$50 para comprar arroz? Essa lei chega aonde? Ela é para quem? As iniciativas têm que ser pensadas de forma coletiva e ampla para que se materializem, para que resolvam as questões de classe e de raça', alertou.


Homenagens


Após as discussões, foram entregues Moções de Congratulações e Louvor a diversas personalidades que vêm se destacando na luta contra o preconceito e pela visibilidade LGBTQIA+. Uma das homenageadas foi a ex-líbero da seleção brasileira de vôlei, medalhista olímpica, Fabi Alvim, a 'Fabi do Vôlei'.


'Era quase inimaginável pensar que estaríamos vivendo um momento como este hoje há uns anos. Queria que minha filha de dois anos estivesse aqui para ouvir o que foi dito. Com certeza ela será mais uma aliada na nossa luta. Muito obrigada pela bela homenagem', agradeceu.


Também foram agraciados com entrega de Moções, a artista plástica RafaMon, do Coletivo Mães pela Diversidade; Leonardo Peçanha, homem trans especialista em gênero e sexualidade, da Liga Transmasculine João Nery; o ativista LGBTQIA+ Josi Oliveira, da Isoporsinho das Sapatão; Andréa Brazil, idealizadora do projeto Capacitrans RJ; as vereadoras Benny Briolly, de Niterói, e Mônica Benício, do Rio de Janeiro; Maria Eduarda Aguiar, mulher trans advogada, do Grupo pela Vidda,. e Claudio Nascimento, ex-coordenador do Rio Sem Homofobia e membro do Coletivo Arco Íris.

2 visualizações