top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

Diretor presidente da Aliança Nacional LGBTI+ aborda sobre comentários homofóbicos em 'A Fazenda'

Toni Reis enfatiza a importância da conscientização e penalidades em casos de discriminação



Toni Reis, diretor presidente da Aliança Nacional LGBTI+, concedeu entrevista exclusiva ao Jornal Pimenta Rosa, onde discutiu a polêmica recente envolvendo comentários homofóbicos feitos por participantes do reality show 'A Fazenda 15'. Lucas Souza, ex-marido de Jojô Todinho, foi alvo de comentários ofensivos de participantes como Cariúcha, Darlan Cunha, Kamila Simioni e Yuri Meirelles, o que gerou indignação entre os espectadores e levou a pressões nas redes sociais por ações da Record TV após tais declarações.


Cariúcha e Simioni chamaram Lucas de 'p*tinha', com a cantora insistindo na ofensa em diversas conversas e até em uma briga em que partiu para cima do influenciador. Yuri debochou dos trejeitos de Lucas e questionou sua identidade de gênero, enquanto Darlan o chamou de 'fresco' e pediu que ele 'virasse homem'. A reação nas redes sociais foi imediata pela expulsão dos envolvidos. A controvérsia, no entanto, levou, nesta quarta-feira (4/10), a apresentadora do programa, Adriane Galisteu, repreender os peões Yuri Meirelles e Cariúcha por proferirem comentários discriminatórios em relação a Lucas Souza.


Reis, que é um ativista veterano na causa LGBTI+ e lidera uma organização dedicada à promoção e defesa dos direitos humanos e da cidadania da comunidade LGBTI+, abordou a complexidade da questão e destacou como a sexualidade muitas vezes é usada como um instrumento de discriminação.


'Infelizmente, a homossexualidade, ou a sexualidade como um todo, ainda é usada para prejudicar alguém', observou Reis. Ele também compartilhou uma reflexão pessoal, questionando se acusá-lo de ser heterossexual seria considerado uma forma de discriminação


'Ser gay não é um problema, para mim é uma bênção,' enfatizou.

A polêmica sobre a homofobia na televisão gerou debates acalorados, com advogados argumentando que não se tratava de homofobia, pois o ex-marido de Jojô Todinho afirmou ser heterossexual. No entanto, Toni Reis e alguns participantes do programa têm opiniões divergentes. Reis argumentou que a expulsão dos participantes não é a solução ideal, mas sim a conscientização e a imposição de penalidades. Ele afirmou:


'Não vejo como uma falta tão grave que mereça a expulsão. A sensualidade de ninguém deve ser usada para diminuir alguém, mesmo quando os filtros não estão presentes em momentos de raiva.'

Para Reis, o cerne da questão é a tentativa de diminuir a pessoa ofendida, refletindo uma cultura profundamente homofóbica. Ele ressaltou que é crucial chamar a atenção das pessoas envolvidas e impor alguma penalidade, mas não a expulsão do programa.

Quando questionado se a falta de punição poderia estar relacionada ao fato de 'A Fazenda' ser exibida em uma emissora de televisão evangélica, Toni Reis destacou que a punição deve ser aplicada independentemente do contexto.


'Isso é um problema, um contexto. Se o crime acontecer, seja em uma emissora evangélica, católica ou secular, ele deve ser punido,' afirmou Reis.

A polêmica em torno dos comentários homofóbicos em 'A Fazenda 15' continua a levantar questões importantes sobre como a orientação sexual é tratada na televisão brasileira e a necessidade de conscientização e penalidades adequadas para combater a homofobia. Toni Reis, com sua vasta experiência na defesa dos direitos LGBTI+, oferece uma perspectiva valiosa sobre esse debate crucial.






Comments


bottom of page