top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

Espetáculo 'Angu', de Rodrigo França, estreia nesta quinta (16) no Futuros - Arte e Tecnologia

Montagem encenada por Alexandre Paz e Orlando Caldeira apresenta histórias de pessoas pretas gays



'Expurgo toda uma cultura de morte. Porque quero ser vida'. A impactante frase que é parte do texto inédito de Angu dá o tom do espetáculo que estreia nestaq quinta-feira (16), às 20h, no Futuros – Arte e Tecnologia. Escrito e dirigido por Rodrigo França e com Alexandre Paz e Orlando Caldeira no elenco, o espetáculo conta seis histórias paralelas vivenciadas por pessoas negras gays – ou 'bixas pretas', buscando subverter o olhar social fetichista que as objetifica, criminaliza e hiperssexualiza.


Para além das denúncias das violências que atingem esta camada da população, a montagem também celebra e agradece ícones como Madame Satã; Gilberto França; o bailarino Reinaldo Pepê; Rolando Faria e Luiz Antônio (Queer Les Étoiles) e Jorge Laffond. A peça é uma realização da Emu com produção da MS Arte e Cultura, tem patrocínio da Oi e da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e apoio cultural do Oi Futuro.


Em cena, personagens subvertem o esperado: a não-performance do homem negro com a sua masculinidade ultra, mega viril e heteronormativa. Um sargento da Polícia Militar que honra a sua farda, mas tem a sua sexualidade como alvo de piadas para seus colegas; um jovem estudante de enfermagem que se deslumbra com a classe média branca e deseja ser por ela incluído, porém, é somente hiperssexualizado; o sonhador que fica diariamente sentado no banco da rodoviária e se envolve numa tarde de amor em um banheiro público; o menino encantado com o que dizem do seu tio Gilberto, um homem negro gay que desapareceu no mundo para fazer a sua arte longe da família homofóbica; Madame Satã – transformista que teve que largar a arte para viver à margem como malandro da Lapa; e uma homenagem ao Les Étoiles, icônica dupla queer negra brasileira que abriu as portas da Europa para a MPB.


Retratamos pessoas que só desejam ser o que realmente são. Reforço a palavra ‘pessoas’, pois algumas são tão marginalizadas que a sociedade não as identifica assim. Ainda há luta para o básico, para se ter dignidade. Mesmo ficcionais, são vidas expostas colocando as nuances e subjetividades necessárias, para buscar a humanidade. A peça é um grito. Não necessariamente de socorro, porque acima de tudo existe potência, amor, desejo e intensidade na vida. O espetáculo é um Ebó. Que saiamos do teatro limpos e reequilibrados daquilo que nos oprime, nos aliena, nos engessa de sonhar. Que o Angu nos alimente de reflexões e nos fortaleça de axé”, vibra o diretor Rodrigo França.


A ideia do espetáculo nasceu da vontade de falar sobre liberdade e sobre as pessoas que só desejam ser felizes, mas são impedidas porque a busca dessa felicidade tem a ver com liberdade de ser o que se é.


'E a liberdade alheia atormenta muita gente. Sendo eu um homem preto e gay, olho pra minha própria existência e me deparo com as lutas que enfrentei buscando ser livre. Dessa auto investigação, surge o desejo de enaltecer esses corpos. Celebrar a nós, bixas pretas, homens gays pretos, que lutamos para afirmar e gozar da nossa existência nesse mundo', pontua Alexandre Paz, idealizador do projeto ao lado de Nina da Costa Reis.

Abordando referências artísticas da negritude, a montagem realiza uma espécie de resgate da ancestralidade preta e gay.


'O sonho de Madame Satã era ser artista, mas a sociedade não deixou. Nele só se enxergava a violência, porque é o esperado para as pessoas negras. Principalmente quando se é gay. Esta interseccionalidade é demais para um país racista e LGBTQIAPN+fóbico como o nosso. O público vai encontrar um espetáculo muito sincero, para rir e se emocionar, com muita dignidade em cada personagem. Vamos ver um pouco de muita gente que só gostaria de ser feliz, mas não é uma tarefa simples, pois ser bixa preta consterna muita gente. Mesmo assim, vale a pena ser o que é', reflete o ator Orlando.


'Ser bixa preta coloca caroço no angu de muita gente, daí o nome da montagem', revela Rodrigo França, completando: 'E angu é ancestral, é aquela comida que mata a fome de quem luta pra ser livre. É alimento. Corpo vazio não fica em pé. E a gente tem fome de viver e ser! Debaixo desse angu tem carne!', complementa Alexandre. 'Existe uma provocação para o espectador olhar para si e pensar no todo. Acho um luxo a possibilidade do público sair diferente de como entrou no teatro. Tento fazer com que as pessoas saiam da zona de conforto. Eu não saberia fazer arte sem relevância social. Sou da filosofia, tenho uma necessidade de provocar reflexões. Creio que a arte deva ocupar este lugar', ressalta Rodrigo. 


'Nossa missão no Futuros - Arte e Tecnologia é, por meio da arte, estimular o olhar crítico e construtivo. Com ‘Angu’, o centro cultural recebe em seu teatro um espetáculo que proporciona ao público a oportunidade de refletir sobre as desafiadoras vidas e cotidianos de pessoas historicamente invisibilizadas. Temos certeza de que as pessoas sairão do teatro transformadas após vivenciarem as marcantes histórias da peça. A realização de ‘Angu’ é um convite ao futuro, em que ninguém mais será impedido de buscar e expressar livremente suas individualidades, afetos e sonhos', destaca Victor D'Almeida, gerente de cultura do Oi Futuro. 


 

FICHA TÉCNICA:

Idealização: Alexandre Paz e Nina da Costa Reis

Dramaturgia e Direção: Rodrigo França

Diretor Assistente: Kennedy Lima

Elenco: Alexandre Paz e Orlando Caldeira

Stand in e Assistente de Direção: João Mabial

Direção de Movimento e Preparação Corporal: Tainara Cerqueira

Direção de Imagens e Operação de Vídeo: Carol Godinho

Cenário: Clebson Prates

Figurino: Tiago Ribeiro

Costura: Ateliê das Meninas - Maria

Visagismo: Diego Nardes

Cabelo: Lucas Tetteo

Trilha Sonora: Dani Nega

Iluminação: Pedro Carneiro

Operação de Luz: Thayssa Carvalho

Operação de Som: Igor Borges

Contrarregragem: Wil Thadeu

Fotos, Vídeo e Programação Visual: Charles Pereira

Mídias Sociais: Júlia Tavares

Assessoria de Imprensa: Marrom Glacê Comunicação | Bruno Morais e Gisele Machado

Administração Financeira e Prestação de Contas: eLabore.Kom | Kirce Lima

Coordenação de Produção: Alexandre Paz e Orlando Caldeira

Produção: MS Arte e Cultura

Assistentes de Produção: Igor Borges e Wil Thadeu

Produção Executiva: Anne Mohamad

Direção de Produção: Aline Mohamad

Realização: Emú Produções

Direção Executiva: Sol Miranda

Coordenação: Carolina Silva

Administrativo/Contábil: Maria Andrade


SERVIÇO:


Peça teatral Angu

Futuros - Arte e Tecnologia

Endereço: Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo – Rio de Janeiro

Temporada: 16 de novembro a 17 de dezembro, de quinta-feira a domingo

Horário: 20h

Classificação Indicativa: 14 anosDuração: 80 minutosIngressos: R$ 60 (inteira) | R$ 30 (meia)

Dias 18 de novembro e 2, 9 e 16 de dezembro, sessões duplas às 17h e 20h

* Dia 25 de novembro, sessão antecipada para 17h

*** Dia 8 de dezembro não haverá sessão

Comments


bottom of page