• Pimenta Rosa

Ford adere ao Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+

Uma pesquisa interna mostrou que a representação do grupo LGBTI+ na empresa hoje está acima da média nacional



A Ford oficializou sua adesão ao Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, organização que tem como objetivo o engajamento no respeito aos direitos humanos de lésbicas, bissexuais, gays, travestis, transexuais e pessoas intersexo, por meio da promoção de igualdade de oportunidades e tratamento justo, considerando sua orientação sexual e identidade de gênero.

Daniel Justo, presidente da Ford América do Sul, assinou o ingresso da empresa na entidade durante um evento virtual que contou com a participação da diretoria e empregados e, pelo Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, Reinaldo Bulgarelli, secretário executivo, e Raphael Pagotto, secretário adjunto, entre outros.

'Por mais de um século a Ford vem sendo pioneira em abrir suas portas para as pessoas, independentemente de raça, gênero, orientação sexual ou origem. A diversidade está em nosso DNA, mas vemos isso com menos orgulho e mais com um senso de dever, de que precisamos impulsionar a criação de um ambiente onde as diferenças sejam efetivamente apreciadas e que cada um sinta-se à vontade para ser quem verdadeiramente é', disse Daniel.

Segundo ele, há um entendimento na empresa de que somente através de uma equipe composta por talentos diversos será possível sobreviver em um mundo cada vez mais competitivo e em constante mudança.


'Ao assumir os 10 compromissos do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+ reforçamos o nosso pacto com a comunidade LGBTI+, nos conectando com outras grandes empresas para levar este DNA Ford para fora de nossos muros, buscando mudanças também na sociedade que nos cerca', afirmou.

Em dezembro de 2021, a Ford aderiu aos Princípios de Empoderamento das Mulheres da ONU na América do Sul (WEPs) e, em maio último, assinou o Pacto pela Inclusão das Pessoas com Deficiência, liderado pela Reis, Rede Empresarial de Inclusão Social pela Empregabilidade de Pessoas com Deficiência. A entrada no Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+ é mais uma ação para a promoção da Diversidade & Inclusão (D&I) na Ford - outros estão no radar.

Direitos iguais Reinaldo Bulgarelli destacou que o Fórum LGBTI+ articula grandes marcas em torno de uma ideia simples, de colocar as pessoas LGBTI+ usufruindo dos mesmos direitos que todas as demais. “É muito bacana ter a Ford nesse movimento, de empresas corajosas, que querem ampliar essa conversa e humanizar o ambiente de trabalho. Imagino que é motivo de muito orgulho para os seus colaboradores saber que estão trabalhando numa empresa que respeita todas as pessoas.”

Raphael Pagotto explicou que o Fórum nasceu em 2013, com 16 empresas, e hoje reúne 150 empresas. “Em nome do Fórum, dou os parábens à Ford pela postura e pela presença, de se conectar a um grande movimento empresarial, buscando o que nós acreditamos ser melhor para os negócios, para as pessoas e para a sociedade”, disse.

Grupos de afinidade A Ford já desenvolve várias iniciativas para promover a Diversidade, Equidade e Inclusão, como a manutenção de grupos de afinidade e eventos mensais com palestras e workshops para divulgar e incentivar a reflexão sobre cada tema. Também foi criado um comitê de diversidade que é formado pelos líderes dos grupos de afinidade e que tem como patrocinadores membros da alta liderança da Ford América do Sul.

Rapha Ribeiro, engenheiro de sistemas eletrificados e líder do grupo de afinidade de pessoas LGBTI+ da Ford, o Ford Pride, falou sobre as ações realizadas pelo grupo na América do Sul. “A nossa missão é promover um ambiente de segurança psicológica e ser uma rede de apoio para a comunidade LGBTI+ dentro da Ford. Já fizemos muita coisa e agora damos mais um grande passo, com a adesão ao Fórum de Direitos e Empresas LGBTI+”, disse.

Há mais de 10 anos, a companhia oferece plano médico para casais homoafetivos, antes mesmo do reconhecimento da união homoafetiva pelo Supremo Tribunal Federal, e recentemente implementou a licença parental estendida, contemplando também os casais homoafetivos.

Desde 2019, a empresa também promove o “Pride Month” no mês de junho com uma programação de palestras, depoimentos e entrevistas voltados a temas LGBTI+. Entre os convidados deste ano estão o jornalista e Drag Queen Ikaro Kadoshi e a professora e atriz Maryanne Lettieri.

Desde o ano passado, representantes da Ford também integram um grupo que coordena e oferece treinamentos para a comunidade transexual, tanto sobre carreira quanto sobre ferramentas de tecnologia, para formação profissional.

Pesquisa O IBGE divulgou recentemente o primeiro levantamento sobre diversidade sexual no Brasil, no qual 2,9 milhões de pessoas se autodeclararam homossexuais e bissexuais, o que representa 1,8% da população. Entre os mais jovens, de 18 a 29 anos, esse número aumenta para 4,8%.

A Ford também realizou uma pesquisa interna para avaliar a representatividade desse grupo na empresa. Do total de empregados na América do Sul, 69% responderam à pesquisa, sendo que 2% se autodeclararam bissexuais e outros, e 1% como homossexuais.

'Isso significa que 3% da população da Ford se autodeclara LGBTI+, índice acima do levantamento nacional do IBGE', diz Fernanda Ramos, diretora de Recursos Humanos da Ford América do Sul e patrocinadora do grupo de afinidade Ford Pride. 'No nosso último programa de estágio, 5% dos participantes se autodeclararam em alguma dessas orientações sexuais, número que também está acima da média nacional entre os mais jovens.'


O Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+ conta também com organizações aliadas, como a Unicef, ONU Mulheres, Instituto Ethos e a Organização Internacional do Trabalho. Ao aderir a esse fórum, a Ford se compromete a cumprir os seguintes compromissos:

  1. Comprometer-se, presidência e executivos, com o respeito e com a promoção dos direitos LGBTI+

  2. Promover igualdade de oportunidades e tratamento justo às pessoas LGBTI+

  3. Promover ambiente respeitoso, seguro e saudável para as pessoas LGBTI+

  4. Sensibilizar e educar para o respeito aos direitos LGBTI+

  5. Estimular e apoiar a criação de grupos de afinidade LGBTI+

  6. Promover o respeito aos direitos LGBTI+ na comunicação e marketing

  7. Promover o respeito aos direitos LGBTI+ no planejamento de produtos, serviços e atendimento aos clientes

  8. Promover ações de desenvolvimento profissional de pessoas do segmento LGBTI+

  9. Promover o desenvolvimento econômico e social das pessoas LGBTI+ na cadeia de valor

  10. Promover e apoiar ações em prol dos direitos LGBTI+ na comunidade



3 visualizações