top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

Influencer faz apelo nas redes sociais para que a mídia use o termo travesti

'É importante que as pessoas usem o termo travesti para poder quebrar o preconceito em cima desse termo', afirma Suellen Carey



Muito mais que uma data comum, o dia 29 de janeiro, no qual é comemorado o Dia Nacional da Visibilidade Trans, é um marco na história do Brasil. 'É um dia extremamente importante pois me faz lembrar que sou sobrevivente da transfobia. Já sofri tortura quando mais jovem... essa data é necessária como alerta para que esse tipo de falta de humanidade não aconteça mais com ninguém ', afirma a influencer Suellen Carey.

Assegurar a proteção social às pessoas transexuais e travestis é um grande desafio para as redes de assistência social, uma vez que, os direitos aos integrantes da comunidade LGBTQIAP+ têm sido historicamente negados. Apesar das importantes conquistas na área dos direitos trans nos últimos anos, há relatos diários de níveis crescentes de violência e discriminação, que constantemente colocam segmentos da população em risco.

Para a maioria dessas pessoas, todo esse cenário também aumenta a vulnerabilidade socioeconômica e os conflitos familiares e comunitários. Pessoas transexuais e travestis enfrentam dificuldades para se matricular e frequentar a escola, levando a altos índices de evasão, preparação para o mundo do trabalho, qualificação profissional, inserção no mercado de trabalho, acesso à saúde, entre outros.

A travesti Suellen Carey produz conteúdos para as redes sociais e, dessa maneira, consegue dar voz a uma classe de pessoas, que muitas vezes, não conseguem se impor, devido aos preconceitos da sociedade.


'É muito importante que pessoas como eu consigam impor suas opiniões de maneira pública, que consigam levar uma mensagem da comunidade para o mundo'

Para Suellen Carey, as pessoas podem falar ‘mulher trans’ ou ‘travesti’, pois as duas formas estão corretas, porém, o termo 'travesti' é o preferido da maioria.


'Não tem nenhuma diferença, cada uma escolhe como gosta de ser tratada. Eu gosto de me chamar de travesti, para poder quebrar o preconceito em cima desse termo', concluiu a influencer.

10 visualizações

Comentários


bottom of page