top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

Lins Imperial terá pela primeira vez um Rei de Bateria em seu desfile

John Avelino sabe da responsabilidade na apresentação da escola, ao lado da rainha Danny Fox, e espera desbravar novos caminhos no Carnaval e na carreira



Após 28 anos, uma escola de samba levará para a Avenida de Desfile uma Corte real à frente de sua bateria. Ao lado da rainha Danny Fox, o professor de dança e coreógrafo John Avelino formará a Corte da Lins Imperial pela primeira vez em sua história, apresentando os ritmistas e mostrando muito samba no pé.


Nascido em Goiás e atualmente morador da Cidade Maravilhosa, John Avelino é apaixonado por carnaval desde quando nasceu. Formado e pós-graduado em estética, cosmética e tricologia, exercendo a profissão de cabeleireiro e maquiador em diversos estados do país, tendo inclusive como clientes, grandes musas e personalidades do carnaval carioca, o rei de bateria da Lins Imperial é professor de dança (samba) e coreógrafo.


John Avelino virou figura carimbada nos setores das arquibancadas ano após ano, desde o Carnaval 2010. Em 2011 desfilou pela primeira vez em uma escola de samba, mas foi debaixo do temporal no desfile da Estação Primeira de Mangueira em 2015 que o rei da bateria Verdadeira Furiosa de mestre Átila virou o Muso das Arquibancadas, através de um vídeo sambando na chuva que viralizou, chegando a atingir mais de 2,5 milhões de acessos.


Pimenta Rosa - Como você se sente retomando o cargo de Rei de Bateria de uma escola de samba? Vale lembrar que o primeiro da história do Carnaval foi o Zé Reinaldo, em 1994.


John Avelino - Eu me sinto muito honrado, sempre fui um grande admirador do Zé Reinaldo e toda história de representatividade que ele carrega. Essa retomada é de grande importância. Quando o presidente Flávio Mello me fez o convite achei ele um homem de muita coragem em botar a cara à tapa e falar “ vou ter um rei de bateria “, sobretudo em ter me escolhido visto que não estou nos moldes do que esperam de um homem sambando. Um homem gay, negro e livre para ser quem quiser na frente da bateria. Nós também merecemos posição de destaque e não trabalhar só nos bastidores.


Pimenta Rosa - Qual a importância de se ter uma Corte à frente dos ritmistas?


John Avelino - Na minha opinião a corte abrilhanta mais ao desfile, no caso da Lins, a corte é formada por mim e por Danny Fox, rainha que mora fora do Brasil e vem aqui exclusivamente para o Carnaval. Além da corte teremos uma madrinha que desfilará ao nosso lado. Acho válido todos os formatos de desfile, seja só rainha , rei ou até mesmo a corte. O importante é estarem alinhados e fazer um belo trabalho na avenida .


Pimenta Rosa - Na sua opinião, o que impede que outras agremiações tomem uma atitude igual?


John Avelino - Acho que existe uma resistência muito grande sim , é algo cultural desde sempre mulheres reinaram à frente das baterias, com algumas ressalvas. Existe também um pouco de preconceito e receio no geral. Porém logo após o meu anúncio, iniciou-se um movimento onde veremos mais homens reinando. De certa forma o convite do meu presidente Flávio Mello juntamente com a minha aceitação pode ter ajudado nesse movimento. O que me deixa muito feliz já que o carnaval é para todos. Quero cada vez mais homens brilhando à frente das baterias.


Pimenta Rosa - Quais são os seus planos para o futuro?


John Avelino - Os planos para o futuro dentro do Carnaval são que cada vez mais eu possa romper barreiras e possa estar representando centenas ou milhares de meninos que sonham como eu sonhei ..Que eu seja exemplo com muita humildade, respeito e samba no pé !


Fotos: Magaiver Fernandes e Douglas Jaco

53 visualizações
bottom of page