• Pimenta Rosa

Lomotif faz campanha para o Mês do Orgulho LGBT com tributos, playlists e prêmios

Empresa chamou estrelas como Lia Clark e Danny Bond para estimular a população a criar vídeos, oferecendo prêmios ao que tiver melhor desempenho até o dia 30



Para celebrar o Mês do Orgulho LGBT, a Lomotif está com uma grande promoção, estimulando a população a mostrar seu orgulho. Ao som de 'Born This Way', de Lady Gaga, apontado numa pesquisa britânica como o hino do Orgulho LGBT, eles estão planejando uma série de projetos que mobilizarão as redes e darão mais cores e sons à vida de milhares de pessoas.


Intitulada '#EuTenhoOrgulho', a ação mobiliza artistas e influenciadores da comunidade LGBTQIA+, como Danny Bond, Lia Clark,, Marcela McGowan, Maria Clara Garcia, Leona Vingativa e Bia Gremion, que através das redes sociais, convidarão os usuários brasileiros da Lomotif a criarem seus vídeos utilizando colagens de fotos, efeitos animados e músicas disponíveis na plataforma com a temática ou também produções próprias que sejam divulgadas sob a hashtag #EuTenhoOrgulho.


Competição


Os criadores dos 15 vídeos mais curtidos e comentados, postados com a hashtag #EuTenhoOrgulho ganharão um kit da loja de produtos LGBTQIA+ Afrime, de Porto Alegre, com uma bandeira do Orgulho LGBT, glitter, ecobag, caneca e bottom. Os produtos são feitos por mães de filhos da comunidade. Os vencedores participarão ainda de um bate-papo, durante 30 minutos, com seis influenciadores que estão participando da campanha.


Tributo


A empresa estará homenageando, a cada dia, alguma personalidade LGBTQIA+, como o ator Paulo Gustavo, as drag queens Marsha P. Johnson (foto) e RuPaul, e o cantor Cazuza, entre outros. Marsha foi uma das drags que participaram, em 28 de Junho de 1969, do embate com os policiais na invasão ao bar Stonewall Inn, em Nova York, dando início às reflexões pelo Dia do Orgulho LGBT.


Segundo o executivo Paul Yang, CEO da Lomotif, as redes sociais têm a responsabilidade de discutir sobre temas que refletem a sociedade.


'Com a pandemia e sem o acontecimento da Parada LGBTQIA+ e com uma imensa procura por palavras chaves vinculadas à temática na plataforma, concluímos que homenagear a comunidade é simbólico e importante', concluiu Yang.



1 visualização