• Pimenta Rosa

Minas desliga Mauricio Souza e Renan Dal Zotto fecha as portas da seleção ao atleta

Declarações homofóbicas do central do Minas e um dos principais jogadores da seleção brasileira de Vôlei, Mauricio Souza, foram rebatidas por atletas, patrocinadores e CBV



As declarações homofóbicas do ex-central do Minas Tênis Clube e da seleção brasileira de Vôlei, Maurício Souza, tiveram desfecho nesta quarta-feira (27/10), com a demissão do atleta. Antes mesmo dessa decisão, o técnico da seleção brasileira de Vôlei, Renan Dal Zotto, disse que pessoas homofóbicas não tinham espaço na seleção, sendo chancelado pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).


Vários atletas, entre eles o companheiro de seleção de Mauricio Souza, o ponta Douglas Souza, postou que as retratações não atenuam as mortes de membros da comunidade LGBTQIA+ que ocorrem todos os dias. A jogadora Carol Gattáz, companheira de clube de Maurício, postou que homofobia é crime e exigiu respeito do colega.


Em entrevista ao jornal O Globo, Renan Dal Zotto lamentou as declarações do central e disse que é inadmissível esse tipo de comportamento. Com relação às convocações para a preparação para as Olimpíadas de 2024, em Paris, ele disse que não há nenhum atleta convocado ainda, mas deixou claro que não há espaço para Maurício Souza na equipe.


'É inadmissível este tipo de conduta do Maurício e eu sou radicalmente contra qualquer tipo de preconceito, homofobia, racismo. Em se tratando de seleção brasileira, não tem espaço para profissionais homofóbicos', afirmou Dal Zotto ao Globo.


Entenda o caso


O central da seleção brasileira de Vôlei, Maurício Souza, postou em suas redes sociais falas homofóbicas sobre o anúncio de que o filho de Clark Kent e atual Super-Homem, Joe Kent, irá se assumir bissexual na edição que estará nas bancas em Novembro. Sua postagem, num perfil com mais de 250 mil seguidores na época, causou repúdio de muitos.


A polêmica foi estabelecida e o atleta disse que não era homofóbico, mas apenas estava colocando a sua opinião. O Minas, time de Maurício Souza, foi pressionado pelos patrocinadores e acabou punindo o atleta, que foi forçado a se retratar nas redes sociais. Maurício Souza, entretanto, usou um perfil com pouco mais de 50 seguidores para fazer um post onde pedia desculpas se alguém sentiu-se ofendido com seu post, mas que aquele era seu modo de pensar. Essa manobra e o texto levaram o clube a demitir o central.

108 visualizações