top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

Mitos e verdades sobre os lubrificantes íntimos e por que você deve usá-los

Além de potencializar o sexo e ajudar na hora da penetração, lubrificantes íntimos são grandes aliados à saúde das mulheres



Assuntos relacionados a sexo sempre são cercados de mitos e verdades. E o uso de lubrificantes íntimos não é exceção. Grande aliado do prazer e da saúde, o produto possui outras funções além de facilitar a penetração. Ele pode ser usado durante o ato sexual ou como hidratante vaginal diário para reduzir os efeitos do ressecamento, provocado por alterações hormonais. Ao mesmo tempo em que potencializa o sexo.


O estudo realizado pela Universidade de Indiana, Estados Unidos, comprova a efetividade dos lubrificantes. O levantamento feito com 2.453 mulheres, de 18 a 68 anos, indicou que os lubrificantes, em 70% das ocasiões, proporcionaram maior prazer.

Fica claro que o produto traz apenas benefícios às mulheres, portanto, deve ser desmistificado urgentemente.


Por que os lubrificantes íntimos também devem ser utilizados fora das relações sexuais?

Ao longo da vida, a lubrificação natural tende a diminuir, causando o ressecamento da vagina. A diminuição de hormônios, principalmente de estrogênio, é o principal responsável por essa falta de lubrificação. Isso é recorrente durante a menopausa, fase marcada por alterações hormonais. Mas também pode ocorrer em meio a amamentação, após a remoção dos ovários e por conta do uso de remédios. A secreção não apenas tem a função de diminuir o atrito, como também serve para proteger a região íntima. Na falta dela, o lubrificante íntimo ajuda a amenizar a secura.


Mitos e verdades sobre os lubrificantes íntimos

Para sanar todas as dúvidas que permeiam o assunto, veja 6 mitos e verdades sobre os lubrificantes íntimos.


O lubrificante deve ser usado apenas em atos sexuais

Como já mencionado, o uso de lubrificantes íntimos vai além de apenas diminuir o atrito das relações sexuais ou ajudar na penetração. As mulheres podem usá-lo diariamente, como hidratante vaginal. Portanto, mais um mito foi derrubado.


Nem todos precisam utilizar lubrificantes íntimos

Mito. O atrito causado pela penetração tende a lesionar a parte interna das mucosas, tanto de homens quanto de mulheres. Os traumas acontecem mesmo em quem está apropriadamente excitado. Essas lesões sutis aumentam a probabilidade de infecções urinárias, cistites e infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). Desse modo, fica claro que os lubrificantes aumentam o prazer, ao mesmo tempo em que protegem a região íntima. Vale destacar que o seu uso é indispensável no sexo anal, pois o órgão em questão não produz qualquer tipo de lubrificação natural.

Auxilia na menopausa

A lubrificação natural produzida pelo corpo costuma ser dificultada durante a menopausa. O fenômeno ocorre devido às alterações hormonais, algo natural no período. Para amenizar a secura, ginecologistas recomendam o uso de lubrificantes íntimos ou cremes que levam estrogênio em sua composição. A primeira opção não contém nenhum tipo de hormônio e possui ação instantânea.

Pode ser usado durante o período menstrual

Verdade. Ao invés do que alguns imaginam, lubrificantes íntimos também podem ser aplicados em meio ao período menstrual. Na realidade, o produto facilita a vida das mulheres nessa fase, podendo ajudar no uso de copos, tampões e discos menstruais.

Necessitar de lubrificante é sinônimo de falta de estímulo

Agora, chegou a hora de derrubar mais um mito popular sobre o assunto. Tem muita gente que associa a ausência de lubrificação natural durante relações sexuais com a falta de estímulos por parte de seu parceiro. E isso não é verdade, trata-se de uma narrativa. A baixa lubrificação pode estar ligada a diversos fatores, como menopausa, uso de medicamentos, remoção de ovários, amamentação e sessões de quimioterapia e radioterapia, por exemplo. Os homens não devem sentir vergonha alguma ao sugerir o uso de lubrificantes. Pelo contrário, o produto pode aumentar o prazer dos envolvidos no ato. Sem esquecer que ele também garante segurança e evita lesões.

Existem lubrificantes específicos para homens e mulheres

Verdade. Existem lubrificantes elaborados especialmente para a região íntima das mulheres. Eles são produzidos para garantir o prazer, sem causar agressões e alergias. Sendo assim, nem todos os produtos são unissex.

Como escolher o lubrificante ideal?

Antes de adquirir lubrificantes íntimos, comuns em sex shops, é necessário buscar informações sobre a composição do lubrificante. Não é recomendável sair usando produtos sem antes saber se são seguros. No mercado, 3 tipos são bem comuns:

  • À base d'água: o mais indicado, principalmente para quem tem pele sensível. Afinal, esse tipo de lubrificante é hipoalergênico, não reage ao entrar em contato com o látex presente no preservativo e pode ser limpado com facilidade;

  • À base de silicone: deve ser testado na pele antes de ser utilizado entre quatro paredes. Ele proporciona maior durabilidade, por não ser absorvido pela pele. No entanto, pode causar alergia em peles delicadas;

  • À base de óleo; se destaca por sua textura, mas tende a romper o preservativo por meio do atrito. É recomendado apenas para masturbação ou massagens.


Para acertar na escolha, basta se informar sobre a composição do lubrificante e, posteriormente, realizar testes em regiões sensíveis, como o antebraço. E, claro, adquirir o produto em uma sex shop de confiança. Uma dica é o site www.miess.com.br.


15 visualizações
bottom of page