top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

Prefeitura de São Paulo inaugura primeiro Telecentro voltado para o público LGBTQIA+ na Zona Leste

O novo espaço está instalado nas dependências do Centro de Cidadania LGBTI Laura Vermont e leva o mesmo nome em homenagem à travesti que foi assassinada na região aos 18 anos.


A Prefeitura de São Paulo inaugurou na manhã da última quinta-feira (04), o primeiro Telecentro voltado para o público LGBTQIA+ da capital, em São Miguel Paulista, na Zona Leste. O novo Telecentro está instalado nas dependências do Centro de Cidadania LGBTI Laura Vermont e leva o mesmo nome em homenagem à travesti que foi assassinada na região aos 18 anos.


Durante a inauguração, o prefeito Ricardo Nunes destacou a excelência no atendimento que é feito no Centro de Cidadania LGBTI e prometeu ampliar a rede. 'Esse equipamento atende todas as pessoas que usam o serviço de uma forma acolhedora e respeitosa, mas, mais do que isso, carinhosa', disse. 'Temos cinco Centros de Cidadania na cidade e vamos inaugurar mais um na Zona Leste', garantiu .


Essa é a 130ª unidade do Programa Telecentro, que está em atividade desde 1997. O principal objetivo do programa é a inclusão digital das pessoas que vivem nas periferias da cidade. Além de atender o público LGBTQIA+, outro diferencial dessa unidade é a parceria entre as secretarias municipais de Direitos Humanos e Cidadania e de Inovação e Tecnologia.


'Essa unidade reforça a importância de políticas de inclusão à comunidade LGBTQIA+. O programa tem se mostrado fundamental em auxiliar a população carente a se preparar para o ingresso no mercado de trabalho ou mesmo no empreendedorismo. Hoje todos precisam do letramento digital para a atuação profissional e o Telecentro ajuda proporcionando essa inclusão digital', destacou o secretário municipal de Inovação e Tecnologia, Juan Quirós.


Na nova unidade o público LGBTQIA+ será atendido das 9h às 15h, tendo à disposição uma sala de 40 metros quadrados, com 8 desktops, 1 impressora, 1 quadro branco para apresentação de oficinas, que fica dentro do centro de cidadania. A capacidade diária de atendimento será de 60 pessoas.


No local os alunos podem participar de cursos de capacitação digital, o que fortalece a inclusão e ajuda no ingresso ao mercado de trabalho, já que atualmente a elaboração e envio de currículo é realizada via internet. São vários os cursos gratuitos de acesso ao letramento digital como introdução à informática, capacitação em utilizar as redes sociais, elaboração de currículo, word, excel, power point, principais apps de smartphones, entre outros.


Centro de Cidadania LGBTI Laura Vermont

O Centro de Cidadania, iniciativa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), tem grande relevância para a comunidade LGBTQIA+ . 'Na SMDHC muitas vezes precisamos reagir a direitos ameaçados e violados. Essa é uma parte importante do nosso trabalho e aqui vocês encontram o apoio para isso também', afirmou a secretária, Soninha Francine.


Revyeux Lima, que frequenta o espaço e, também, é beneficiária do Programa Transcidadania, exaltou o trabalho feito pela Prefeitura de São Paulo. 'Estou fazendo o curso de Pedagogia na faculdade graças ao Transcidadania. Sou muito grata', disse.

O Programa Transcidadania promove a reintegração social e o resgate da cidadania para travestis, mulheres transexuais e homens trans em situação de vulnerabilidade.


Kommentare


bottom of page