• Pimenta Rosa

Vozes LGBTQIAP+ representadas na Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro

Festival literário, que acontece no início de dezembro e com ingressos já à venda, vai contar com duas mesas dedicadas à literatura LGBTQIAP+ jovem e adulta



As vozes LGBTQIAP+ ganham espaço em mais uma edição do maior festival literário do país, que acontece de 03 a 12 de dezembro, no Riocentro, Barra da Tijuca. Com uma programação plural criada por um coletivo curador, duas mesas na Bienal vão abordar especificamente os rumos da literatura abordando diversidade sexual e identidade de gênero. Os ingressos já estão à venda no site - e os papos também poderão ser acompanhados em tempo real por lá.

'A expectativa para todas as mesas é muito especial, é a volta de grandes encontros presenciais. Será muito simbólico voltar num evento a favor da literatura, do encontro, da troca, da diversidade, da democracia, da cultura, da educação', afirma Felipe Cabral, curador do evento.

A mesa "Os Novos Rumos da Literatura LGBTQIAP+ Young Adult" será no dia 9 de dezembro, às 19h. A proposta é debater como obras de YA com representatividade LGBTQIAP+ estão formando uma nova geração de leitores, são convidados: a escritora Clara Alves, autora do best-seller Conectadas (Seguinte,2019); a escritora Elayne Baeta, com o recém lançado, Oxe, Baby (Galera Record, 2021); Juan Jullian, autor do romance Querido ex (Galera Record, 2020); o escritor Pedro Rhuas, autor do best-seller Enquanto eu não te encontro (Seguinte, 2021); e o escritor Deko Lipe, amante da literatura infantil, infanto-juvenil LGBTQ+, e idealizador do projeto literário Primeira Orelha.

'É muito legal poder juntar numa mesa autores jovens que têm um forte trabalho com grande alcance e expressivo número de vendas - com protagonistas jovens LGBTQIA+, incluindo adolescentes. Isso mostra como os tempos mudaram. Se há 20 anos essa literatura não existia nas grandes editoras, com viés pop/comercial, hoje ela já existe. A ideia é pensar como a formação desses novos leitores contribui para uma sociedade mais justa, com menos preconceito, desde cedo aprendendo a lidar com a diversidade', defende Felipe. Já a mesa que encerra o evento, no dia 12 de dezembro, às 19h, é intitulada "Vozes LGBTQIAP+: O que vem pela frente?". Os autores convidados irão conversar sobre como a instabilidade política do país se refletiu na literatura e como suas obras ajudam a pensar o momento presente e a construir um futuro melhor.

Estarão presentes no papo: o sociólogo intersexo e transmasculino, Amiel Vieira; o professor de Direito da Unifesp Renan Quinalha, autor do livro Contra a moral e os bons costumes: A ditadura e a repressão à comunidade LGBT (Cia das Letras, 2021); a professora da área de Gênero e Educação Letícia Nascimento, que vai discutir a questão do Transfeminismo (Feminismos Plurais, 2021); o escritor e palestrante Samuel Gomes, eleito Top Voices 2019 pelo LinkedIn e dono do canal no YouTube Guardei no armário; e a escritora Natalia Borges Polesso, autora do recém lançado A extinção das abelhas (Cia das Letras, 2021). 'É uma honra encerrar a programação na Bienal pela segunda vez, com autores LGBTQIAP+ mesclando livros de ficção e não ficção, que resgatam a história da comunidade no Brasil. É um debate maduro, atual e que vai ter muito a contribuir para o que a gente vai precisar falar no período pós-pandemia', finaliza Felipe, que lança durante o festival seu primeiro romance, O Primeiro Beijo de Romeu (Galera Record, 2021). O livro traz na capa a ilustração de um beijo entre dois homens - uma resposta à tentativa de censura na Bienal de 2019, reafirmando que "os nossos afetos e os nossos beijos não vão voltar para o armário".

Sobre a XX Bienal do Livro Rio

Consagrada como o maior festival de cultura e literatura do Brasil, a Bienal Internacional do Livro Rio integra o calendário oficial da cidade e chega à sua 20ª edição propondo uma reflexão com diferentes perspectivas sobre quem éramos, quem somos, e o que vamos ser daqui para frente neste novo horizonte que nos aguarda. Mais do que um encontro de histórias, em que o livro é o protagonista, a Bienal é uma plataforma de conhecimento e conteúdo exclusivos, que estimula a imaginação do leitor, aproxima o público dos seus escritores preferidos, além de lançar novos autores. Desta vez, com todo o cuidado necessário pelo atual momento, o festival será online e offline. Com a missão de incentivar o hábito da leitura para mudar o país, a Bienal traz este ano uma provocação: "Que histórias a gente precisa contar agora?".

7 visualizações