top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

Museu da Diversidade Sexual realiza sarau para comemorar o Dia Nacional da Visibilidade Trans

Ação cultural, em parceria com Museu da Cidade de SP, celebra orgulho e resistência da comunidade LGBTQIAP+ no próximo sábado (28/01), no Centro de São Paulo


Artistas Warley Noua e Preto Teo em Sarau no MDS em 2022. Crédito: Gabriel Gouveia


Estabelecido no Brasil em 29 de janeiro de 2004, o Dia Nacional da Visibilidade Trans é celebrado anualmente para destacar o orgulho, a existência e a resistência da comunidade trans e travesti, inserida no movimento LGBTQIAP+. Para valorizar a importância da data, um marco na luta pelo reconhecimento e pela igualdade de direitos das pessoas trans, o Museu da Diversidade Sexual (MDS), instituição da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e gerida pelo Instituto Odeon, e o Museu da Cidade de São Paulo, promoverão no próximo sábado, 28/01, o 'Sarau Serene- Olhares e saberes transversais'


A atividade ocorre em parceria com o Hotel Selina Aurora, no Centro da capital paulista, e será dividida em três momentos, com um sarau conduzido pelo poeta Formigão e aberto à participação do público, além de apresentações musicais de Aivan e 7Bello e a discotecagem de Nãovenhasemrosto.

Para a arte-educadore do Núcleo de Ação Educativa do MDS, Nay Costa, o Dia da Visibilidade Trans é uma plataforma, um alicerce de denúncia à transfobia, à ausência de garantia de direitos, respeito, dignidade e cidadania. “É também um dia de celebrar a diversidade das existências de vidas, de corpas e corpos. Num ato que existir por si só enquanto uma pessoa trans já é político e já é revolucionário. É um dia que convoca a sociedade a refletir e priorizar as urgências da comunidade trans”, diz Nay, salientando que a educação é necessária na luta e no combate aos preconceitos e à transfobia.

'Ter um Dia de Visibilidade Trans é de extrema importância, é rever o passado, rever o trajeto que nos leva até aqui e assumir no agora um compromisso de (trans)formação de um contexto hostil, degradante e vergonhoso, num amanhã onde nós todas, todes e todos possamos ser quem somos, sem medo de sermos mortos e violentados', argumenta.

Reforçar a importância do Dia da Visibilidade Trans é essencial, tendo em vista que o Brasil segue à frente entre os países que mais matam pessoas trans no planeta - mesmo com a transfobia sendo crime em território nacional desde 2019. Segundo estimativas da Transgender Europe (TGEU), que avalia mundialmente indicadores levantados por instituições trans e LGBTQIA+, ao menos 4.042 pessoas trans e de gêneros diversos foram assassinadas no Brasil entre 2008 e 2021.

Serviço

Dia da Visibilidade Trans

Quando: 28/01 (sábado), das 15h às 18h 

Local: Bar Lohi - Hotel Selina Aurora (Av. Vieira de Carvalho, 99, São Paulo)

Realização: Museu da Diversidade Sexual e Museu da Cidade de SP

Entrada gratuita

Cronograma:

15h - Abertura com breve fala de Adelaide Silva e com discotecagem da DJ Nãovenhasemrosto;

15h20min - Sarau com performance do poeta Formigão e com microfone aberto para quem quiser se apresentar (a DJ poderá fazer intervenções sonoras, caso participante queira);

16h20min - Discotecagem da DJ Nãovenhasemrosto;

16h40min - Show Aivan (Cantora) e 7Bello (Músico - violão) - clássicos da MPB;

17h40min - Finalização com a DJ Nãovenhasemrosto.

Comments


bottom of page