top of page
  • Foto do escritorPimenta Rosa

Quase um quarto das mulheres da Geração Z se identificam como LGBT

De acordo com um novo relatório, realizado no Reino Unido, mais do que o dobro das mulheres se identificam como bissexuais em comparação com outras faixas etárias




A pesquisa Vamos falar sobre sexo: o Relatório do Reino Unido de 2023, publicada na PinkNews, mostra que as mulheres da Geração Z, nascidas depois de 1997, são o grupo social com menor probabilidade de se auto identificar como heterossexuais e também são muito mais propensas a se identificar como bissexuais do que suas colegas mais velhas.


O estudo sobre os hábitos e atitudes sexuais do Reino Unido coletou resultados de uma pesquisa online com 3.688 pessoas de 3.500 adultos representativos nacionalmente e 396 clientes da Hims & Hers Health com idades entre 18 e 65 anos. A pesquisa mostra que apenas 76% das mulheres da Geração Z no Reino Unido se identificam como heterossexuais, em comparação com 87% em todas as outras faixas etárias.


Números recentes do Censo mostraram que existem tantas pessoas bissexuais e pansexuais quanto gays e lésbicas. (PinkNews/Getty)


Catorze por cento das mulheres da Geração Z se identificaram como bissexuais – mais do que o dobro dos seis por cento observados em outras faixas etárias. Já cinco por cento descreveram sua sexualidade como 'outra' – uma opção de pesquisa que incluía pansexual, assexual e queer – em comparação com apenas 2,5 por cento das mulheres no Reino Unido como um todo. Notavelmente, a porcentagem de mulheres que se identificaram como gays permaneceu a mesma em todas as faixas etárias, em três por cento.

Enquanto isso, dois por cento dos entrevistados de todas as faixas etárias afirmaram que prefeririam não responder.


As descobertas do relatório Hims & Hers Health ecoam as do Censo do Reino Unido publicado pelo Office of National Statistics (ONS) em janeiro, que mostrou que a faixa etária de 16 a 24 anos tinha a maior proporção de lésbicas, gays e bissexuais. Dessa faixa etária, 6,91% disseram ser gays lésbicas ou bi (os dados não consideravam a identidade de gênero) – mais que o dobro da porcentagem (3,16%) da população geral.


O censo do Reino Unido também mostra que, em todas as faixas etárias, as mulheres eram duas vezes mais propensas que os homens a se identificarem como bissexuais (1,76% contra 0,78%), enquanto os homens eram mais propensos a se identificar como gays (1,95% contra 1,15%).


Alix Fox, jornalista, radialista e especialista em sexo que também trabalhou como consultora de roteiro na série 'Sex Education', da Netfkix, disse à Hims & Hers Health que um amplo espectro relatado de identidade sexual entre as mulheres da Geração Z pode estar ligado à linguagem em rápida evolução. em torno do sexo e da sexualidade.


'Minha crença pessoal é que sempre houve pessoas com propensão a identidades sexuais e modelos de relacionamento fora da norma heterossexual, monogâmica e dominante. Atualmente, no entanto, um maior conhecimento de termos como pansexual, demissexual e consensualmente não monogâmico significa que é mais fácil descrever e discutir esses sentimentos, e há uma maior apreciação de sua legitimidade. Os papéis culturais de gênero estão mudando. E quando você abre sua mente sobre como pode ser a vida de uma mulher, então questionar como você pode querer que as coisas pareçam para você sexualmente é uma parte natural disso. Pode ser muito libertador.', analisou.




6 visualizações
bottom of page